A Verdade Sobre o Meu 2020: Talvez Isso Te Ajude

vida 8 de Jan de 2021

O ano de 2020 foi de longe, o pior ano da minha vida e acredito que muitos podem dizer o mesmo. Foi o maior desafio de resiliência psicológica que já tive.

O ano tinha começado bem, eu estava cheio de planos para a minha carreira e vida. Tinha terminado de reformar e mobiliar o meu apartamento e a vida parecia promissora e estável.

Quando parei para avaliar, a pandemia estava em seu pico, meu relacionamento tinha chegado ao fim. Me tornei pai em tempo integral, tive que planejar uma nova rotina para conciliar minha filha e o meu trabalho. Não só isso mas tive que absorver diversos problemas pessoais da separação e filtrar tudo de uma maneira que não atingisse minha filha.

Quando eu achei que não poderia piorar, eu perdi meus 2 avôs para o Câncer em menos de 2 meses. Não sendo suficiente, segurando toda essa carga emocional, quando meu trabalho ficou um pouco mais puxado, acabei encerrando o ano com um Burnout do trabalho.

Isso me lembrou muito aquelas histórias de heróis, quando o herói toma uma surra imensa e fica com a moral totalmente abalada, com a sensação de que uma vitória não é mais possível.

Sinceramente, eu não gosto de escrever sobre a minha vida pessoal mas também acredito que se eu não expor e refletir, não conseguiria tirar proveito da situação para me ajudar e/ou ajudar outras pessoas que estão passando pela mesma situação. Também nos tempos de redes sociais existe sempre essa bolha de que todos estão sempre felizes e não é necessário ter empatia.


Começa sempre de maneira sorrateira, levando o dobro do tempo para concluir uma tarefa, perdendo foco, barganhando comigo mesmo para trocar aquela tarefa importante por algo irrelevante e depois me sentindo mal e encontrando justificativas para aquele comportamento.

Quando eu notei os primeiros sintomas do Burnout, eu logo expus o que estava se passando ao meu empregador. Da mesma maneira que eu recebi empatia e incentivo para melhorar, eu ouvia coisas como "Você precisa focar", "Se você focar, você consegue terminar suas tarefas" etc.

Eu não julgo as pessoas que não entendem e nunca passaram por isso, mas me forçar a combater um sintoma (falta de foco) na base da teimosia estava muito longe da solução.

Depois de muita relutância, eu decidi me desligar da empresa voluntariamente. A matemática era simples, se eu não tinha energia o suficiente para me levantar segurando toda aquela carga emocional, eu precisava cortar da minha vida tudo que estava me jogando para baixo naquele momento.

Cortei relacionamentos, amizades & familiares tóxicos, meu trabalho, responsabilidades financeiras e me joguei no vazio, recomecei. Muitas pessoas tem o medo de ficarem sozinhas, saem de uma relação e já partem pra outra, se cercam de amizades vazias... Já eu, aceito isso de braços abertos.

São nesses momentos, onde não temos ninguém causando interferência, que podemos ouvir nossa própria voz e descobrir de fato como podemos nos adaptar e superar esses desafios. São nesses momentos de autorreflexão que geralmente dou meus passos mais ambiciosos.

Muita gente pode não ter entendido a minha ausência, me julgado ser ignorante, intolerante e recluso. Se você foi uma dessas pessoas, me desculpe, você fez parte do problema e não da solução. Você foi o tipo de pessoa que não teve responsabilidade psicológica ou maturidade em algumas situações e eu não os odeio, só não os quis por perto.


Eu ainda não estou curado mas tudo bem. A cura não é um interruptor, é um processo. O que posso dizer é, que enxergo todas as coisas com mais clareza e tirei bastante aprendizado de tudo isso. Posso usar aquelas frases de marketing para vender curso: "2020 você aprende 10 anos em 1 ano".

Esse tapa na cara também não foi completamente ruim, tive a oportunidade de reavaliar alguns valores pessoais e também pude focar em hábitos que me fazem bem, parei de fumar e voltei a ter uma rotina mais saudável. Já perdi todos os quilos que ganhei na pandemia e ainda ganhei uns músculos de volta. Essa injeção de rotina saudável na minha vida me ajudou a controlar mais a minha ansiedade, resultando em FOCO para poder voltar a trabalhar e estudar. Falo isso com bastante felicidade, pois o pior pra mim não era me sentir pra baixo ou ficar sem vontade de fazer nada, era saber que fazendo ou não, a vida continua e eu ODEIO a sensação de estar estagnado ou estar desperdiçando tempo.

Voltando para aquela história do herói caído, quando eu coloco o ano de 2020 em perspectiva, depois de tudo que me aconteceu, eu sempre lembro de uma frase que volta e meia aparece em algum filme de herói, a mais famosa sendo:

A vida não é sobre quão duro você é capaz de bater, mas sobre quão duro você é capaz de apanhar e continuar indo em frente.
- Rocky Balboa

Então se quiser tirar alguma coisa boa dessa história, tire o seguinte: Se você se encontrar nessa situação, lembre-se de que está vivo e ainda tem energia para se levantar e seguir em frente. Elimine o que te faz mal e foque naquilo que te faz bem, respeite o seu tempo.

Você já parou pra pensar em como pode ter sido o 2020 de muita gente, inclusive o seu? Eu não costumo me expor dessa maneira mas se eu conseguir ajudar ao menos uma pessoa, ficarei super satisfeito. Se você se sentir confortável, eu adoraria ler a sua história aqui nos comentários ou que você comente que compartilhou com algum amigo ou familiar.

Marcadores

Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Ótimo! Agora, complete o checkout para ter o acesso completo.
Bem vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Sucesso! Sua conta está completamente ativada, agora você tem acesso completo ao conteúdo.