Como Foi o Processo de Entrevista Para a B2W

carreira Fev 21, 2020
Disclaimer: Esse post faz parte de uma série de artigos que irei publicar sobre a minha experiência nos processos seletivos de grandes empresas no Brasil e no exterior. Será em ordem cronológica. Estarei sempre colocando o link para o próximo artigo no final do post.

Anteriormente... Como foi o processo de entrevista para a Gennovacap.

Continuando a jornada, passaram-se aproximadamente 3 anos e meio. Nesse período na Gennovacap eu já tinha trabalhado em uma série de projetos que iam desde desenvolvimento de monolitos com CodeIgniter, Laravel e Ruby on Rails, até mesmo desenvolvimento de apps com Cordova e Phonegap.

Também atendi a alguns eventos de tecnologia no RJ e em SP, conheci bastante gente e fui introduzido a comunidade de desenvolvimento.

Mas faltava alguma coisa...

Em todos os eventos que eu participei, eu sempre via um brilho nos olhos dos palestrantes e também o reconhecimento e oportunidades que se abriam para aqueles que se destacavam de alguma maneira.

O problema é que eu tinha pânico de falar em público, pois sempre fui uma pessoa muito ansiosa.

Cheguei a conclusão de que eu tinha apenas 2 opções: Enfrentar meu medo e dar um passo além na minha carreira ou viver com medo e não realizar a minha meta.

Escolhi a primeira opção.

Dica: O medo é a única coisa que fica entre a gente e a vontade de fazermos aquilo que amamos.

Então eu tracei uma meta de que iria organizar um evento ou fazer uma palestra. Acabei criando um meetup sobre AngularJS, que estava bombando na época, e comecei a divulgação nos grupos do Facebook e nas minhas redes sociais.

Curiosidade: O meetup Angular Rio ainda existe mas não é mais organizado por mim. Eu não trabalho com Angular a bastante tempo, então resolvi passar a bola pra quem estava mais ativo na comunidade de Angular.

Pra minha surpresa, recebi uma mensagem dizendo que a B2W sempre investia nesse tipo de evento e me passou o contato de alguém do RH para que eu pudesse entrar em contato.

Para a minha segunda surpresa, eles toparam e ainda ofereceram o coffee break.

Agora eu já tinha a data e hora para o meu evento. Também tinha cada vez mais pessoas se inscrevendo para participar.

Chegando no dia do evento, eu cheguei um pouco antes na empresa pra poder conhecer meu contato no RH e também fazer um tour pelo lugar e organizar mais alguma coisa por lá.

Eu estava com uma síndrome de impostor sinistra. Vocês já sentiram isso alguma vez?

Enfim, falei pra mim mesmo que agora era muito tarde pra desistir, já que a empresa já tinha gasto dinheiro com coffee break e o pessoal já estava chegando.

O auditório começou a encher de funcionários da B2W e de mais um monte de gente que se inscreveu pelo site do meetup.

Tomei coragem, fui lá na frente do auditório, puxei uma cadeira, me apresentei pro auditório inteiro e comecei a puxar um debate sobre AngularJS.

Eu fiquei impressionado, fui recebido super bem pelo pessoal, todo mundo participando e conversa fluindo. Todos satisfeitos.

Chegando no final do evento, a galera se despedindo, fui puxado num canto por um dos tech leads da empresa. Ele me perguntou se eu queria fazer parte da empresa, que gostou da minha atitude.

Eu aceitei.

O processo foi super simples. Voltei lá alguns dias depois pra bater mais um papo, pra eles poderem me conhecer um pouco melhor. Alguns dias depois eu recebi a proposta e comecei a trabalhar lá.

O que eu achei mais foda, foi que esse tinha sido meu primeiro contato com um produto que é usado por milhões de pessoas no Brasil inteiro. Me deu uma perspectiva enorme de como produtos de larga escala funcionavam.

O pessoal que eu conheci lá, são meus amigos até hoje também. Já chegamos até a trabalhar juntos em outros lugares.


Chegamos ao fim da segunda história. Se você curtiu ou se identificou, eu gostaria que você deixasse um comentário e me contasse sobre a história do seu primeiro contato com um produto de larga escala.

Me conta e depois me segue aqui:

Rafael Fragoso

Eu estou no mercado há um pouco mais de 10 anos. Hoje eu trabalho remoto, para uma empresa chamada BairesDev e crio conteúdo relacionado a desenvolvimento de software.